Observatório Bíblico

Sábado, Fevereiro 27, 2010

Livro em homenagem a Lester L. Grabbe

Livro editado por Philip R. Davies e Diana Vikander Edelman presta homenagem a Lester L. Grabbe. Publicação prevista para agosto de 2010.

Claro, um livro em homenagem a um dos mais interessantes historiadores do judaísmo antigo só podia tratar das múltiplas questões que envolvem hoje a escrita de uma História de Israel, de suas teorias e práticas, de suas controvérsias e conquistas.

Os autores são colegas e amigos de Lester L. Grabbe, que é também o fundador do Seminário Europeu sobre Metodologia Histórica. Contam-se aí nomes bem conhecidos dos leitores deste blog e de minha página, como Mario Liverani, Niels Peter Lemche, Thomas L. Thompson, Philip R. Davies, Hans Barstad, Diana V. Edelman, Bob Becking, Nadav Naaman e muitos outros.


DAVIES, Ph. R.; EDELMAN, D. V. (eds.) The Historian and the Bible: Essays in Honour of Lester L. Grabbe. London: T & T Clark, 2010, 288 p. - ISBN 9780567202680.


Diz a Editora:
Lester Grabbe is probably the most distinguished, and certainly the most prolific of historians of ancient Judaism, the author of several standard treatments and the founder of the European Seminar on Historical methodology. He has continued to set the bar for Hebrew Bible scholarship. In this collection some thirty of his distinguished colleagues and friends offer their reflections on the practice and theory of history writing, on the current controversies and topics of major interest. This collection provides an opportunity for scholars of high caliber to consider groundbreaking ideas in light of Grabbe's scholarship and influence. This festschrift offers the reader a unique volume of essays to explore and consider the far-reaching influence of Grabbe on the field of Biblical studies as a whole.

Há, contudo, um grande problema: o preço da edição em capa dura (Hardcover) é proibitivo. Espera-se que, prevalecendo o bom senso, um edição em Paperback possa chegar até minha mesa...


Sumário - Table of Contents

List of Abbreviations

THE EDITORS
Introduction

HANS BARSTAD
History and Memory. Some Reflections on the ‘Memory Debate’ in Relation to the Hebrew Bible

NIELS PETER LEMCHE
Postcolonial Studies and the Study of Israelite History.

NADAV NAAMAN
Text and Archaeology in a Period of Great Decline: The Contribution of the Amarna Letters to the Debate on the Historicity of Nehemiah’s Wall

RAINER ALBERTZ
Secondary Sources Also Deserve to be Historically Evaluated: The Case of the United Monarchy

THOMAS L. THOMPSON
Reiterative Narrative and the Problem of the Exile

ANDRÉ LEMAIRE
Hazor in the Second Half of the 10th Century BCE: Historiography, Archaeology and History

MARIO LIVERANI
The Chronology of the Biblical Fairy-Tale

EHUD BEN ZVI
The Story of Micaiah, son of Imlah: What Could the Ancient Intended Readers Learn from It?

DIANA V. EDELMAN
Of Priests and Prophets and Interpreting the Past: The Egyptian Hm-Ntr and Hry-Hbt and the Judahite nabi’

HUGH G.M. WILLIAMSON
Welcome Home

ODED LIPSCHITS
Here is a Man Whose Name is ?ema?’ (Zechariah 6:12)

BOB BECKING
Drought, Hunger, and Redistribution: A Social-Economic Reading of Nehemiah 5

JOSEPH BLENKINSOPP
Footnotes to the Rescript of Artaxerxes (Ezra 7:11-26)

GARY N. KNOPPERS
Aspects of Samaria’s Religious Culture during the Early Hellenistic Period

E. AXEL KNAUF
Biblical References to Judean Settlement in Eretz Israel (and Beyond) in the Late Persian and Early Hellenistic Periods

PHILIP R. DAVIES
The Hebrew Canon and the Origins of Judaism

GEORGE J. BROOKE
What Makes a Text Historical? Assumptions behind the Classification of Some Dead Sea Scrolls

Marcadores:

Bookmark and Share

Quarta-feira, Outubro 14, 2009

História de Israel: reino de Judá reestruturado

O item sobre o Reino de Judá, em minha História de Israel, foi totalmente reescrito, levando em conta vários elementos das pesquisas mais recentes sobre o tema.

E a bibliografia, que pode ser conferida no final, foi atualizada.

Marcadores:

Bookmark and Share

Terça-feira, Setembro 15, 2009

Jerusalém na época persa

Em Journal of Hebrew Scriptures, da Universidade de Alberta, Canadá, no vol. 9, artigo 20, de 2009, leio um artigo de Oded Lipschits, do Institute of Archaeology, Tel Aviv University, Israel:

Persian Period Finds from Jerusalem: Facts and Interpretations

Diz o Abstract:
The Babylonian, Persian and early Hellenistic periods are unique in the history of Judah. They represent a kind of "interlude" between two periods of greatness and political independence. This article discusses the archaeological finds from Jerusalem in the Persian and Early Hellenistic periods. It includes an assessment of the scope of the built-up area of the city, and an estimate of the city's population, on the basis of the archaeological data. This article's emphasis on the importance of the Ophel hill as the main built-up area in the Persian and Early Hellenistic period is unique in present archaeological and historical research of ancient Jerusalem.

Leia Mais:
Judá e os judaítas nos seculos VI-IV AEC
O paradigma bíblico exílio-restauração caducou?
Abordando Yehud
David Vanderhooft (ed.), In Conversation with Oded Lipschits, The Fall and Rise of Jerusalem. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 2005

Marcadores:

Bookmark and Share

Quarta-feira, Agosto 12, 2009

Abordando Yehud

Interessante a leitura do capítulo inicial da obra mencionada em post anterior, O paradigma bíblico exílio-restauração caducou? Escrito pelo organizador do livro, Jon L. Berquist, Approaching Yehud - Abordando Yehud [ou para quem não concorda com o galicismo "abordar", pode ser "Olhando Yehud mais de perto" "Examinando Yehud", ou algo do gênero] -, nas p. 1-5, faz uma boa síntese do que eram os estudos sobre a época persa desde o final do século XIX e que rumo tomaram nos últimos vinte e poucos anos. Lembro ao leitor que Yehud é o nome aramaico do Judá pós-monárquico.

Berquist começa seu texto lembrando que no final do século XIX e começo do século XX foram feitos interessantes estudos sobre a época persa. Ele cita três autores: Johann N. Strassmaier e seus dois volumes sobre as Inscrições de Ciro e Cambises [Inschriften von Cyrus; Inschriften von Cambyses. Leipzig, 1890]; Herbert Cushing Tolman, Ancient Persian Lexicon. New York, 1908; Arthur E. Cowley, Aramaic Papyri ot the Fifth Century B.C. Oxford, 1923.

E acrescenta que nos primeiros anos do século XX os estudiosos reconheciam a influência do Império Persa na organização social e política da Jerusalém dos séculos quinto e quarto a. C. e especulavam sobre as conexões possíveis entre o zoroastrismo e os nascentes judaísmo e cristianismo.

Entretanto, diz ele, estes estudos não exerceram grande influência sobre a corrente dominante dos estudos bíblicos, que refletiam muito mais a visão wellhauseniana [Julius Wellhausen: 1844-1918] de que o período mais importante da história de Israel fora a monarquia, sendo o época pós-exílica uma era menor, herança decadente daquela, e, além do mais, legalista, marca que acabou firmemente colada ao judaísmo nos meios acadêmicos.

Quando se chegou à metade do século XX, com raras exceções, a época persa em Yehud estava caracterizada como aquela da qual pouco podíamos saber e/ou dizer, sem nenhum fato histórico relevante, com escassa documentação extra-bíblica ou arqueológica, sem nenhuma criação literária de peso e por aí afora. Este panorama estava ancorado no sólido conhecimento que pensávamos ter da época monárquica. Hoje, este "sólido conhecimento" anda meio perrengue!

Entre 1960 e 1980 os estudos bíblicos tinham construído um sólido consenso sobre o exílio e a restauração de Israel. Suas principais teses:
:: a deportação babilônica de 587/6 a.C. deixou praticamente vazia a terra de Israel
:: a comunidade deportada para a Babilônia era a herdeira legítima das antigas tradições israelitas
:: o período exílico foi fundamental na escrita e padronização da maior parte das antigas tradições literárias e teológicas
:: os exilados estavam unidos em seu projeto de reconstrução do Templo de Jerusalém como centro de sua experiência religiosa
:: este projeto se traduzia em algumas expectativas messiânicas
:: a ascensão do persa Ciro ao poder em 539 a. C. levou ao retorno em massa dos exilados judaítas na Babilônia
:: estas pessoas tornaram-se os líderes da comunidade de Jerusalém reestruturada como comunidade do Templo em seu desejo de restauração do Primeiro Templo

Enquanto isso, estudos sobre a história dos Aquemênidas - os governantes persas - avançavam. Especialmente a partir da década de 80 do século XX, como as pesquisas de Muhammad Dandamayev (1984; 1989), Pierre Briant (1992; 2002), o grupo de trabalho de Groningen que começou em 1983, os estudos socioantropológicos de grupos de estudo da SBL, proporcionando às novas gerações uma mudança de perspectiva.

Que talvez possa ser traduzida, em sua melhor forma, na mudança de paradigma do conceito de exílio e restauração para o de império e colônia [referia-me, especialmente a isto no post anterior sobre este livro]. Esta mudança levou a uma nova compreensão da realidade de Jerusalém e arredores na época persa. e produziu um número considerável de estudos sobre Yehud como colônia do Império Persa.

Estas novas perspectivas influenciaram muitos comentários, como os de David L. Petersen, Haggai and Zechariah 1-8. Philadephia, 1985; Carol L. Meyers & Eric M. Meyers, Haggai, Zechariah 1-8. New York, 1987; Joseph Blenkinsopp, Ezra-Nehemiah. Philadelphia, 1988. Ou monografias, como as de Daniel L. Smith-Christopher, The Religion of the Landless: The Social Context of the Babylonian Exile. Bloomington, 1989; Kenneth Hoglund, Achaemenid Imperial Administration in Syria-Palestine and the Missions of Ezra and Nehemiah. Atlanta, 1992; Jon L. Berquist, Judaism in Persia's Shadow: A Social and Historical Approach. Minneapolis, 1995.

Os estudos da Escola de Copenhague - os chamados "minimalistas" - chamaram a atenção para as épocas persa e helenística como cruciais na construção da literatura que chamamos de Bíblia Hebraica. Como os estudos de Niels Peter Lemche e de Philip R. Davies, entre outros. Ou os que questionaram o mito da terra vazia durante o exílio, como Hans M. Barstad e Robert P. Carrol.

Todo este processo levou a época persa a reconquistar sua identidade, abandonando seu papel de transição entre a monarquia e o judaísmo e/ou cristianismo.

E embora um novo consenso não tenha sido construído em torno da época persa, há um significativo número de hipóteses de trabalho que são partilhadas pelos pesquisadores quando tratam do assunto, como:
:: as invasões babilônicas no começo do século VI a. C. removeram apenas uma minoria da população da região de Judá
:: apenas uma minoria de exilados judaítas na Babilônia migrou para Yehud a partir de 539 a. C. e este foi um lento processo, de décadas
:: a população de Jerusalém e arredores durante a época persa era muito menor do que se imaginava, caindo de dezenas de milhares para poucos milhares
:: o tempo do exílio produziu pouca literatura, mas muito daquilo que viria a se constituir como Bíblia Hebraica foi produzido a partir do século V a. C.
:: nunca houve unidade entre os habitantes do Yehud, sendo o conflito social uma marca constante deste período, inclusive em questões relativas à construção e funcionamento do Segundo Templo
:: a cultura de Yehud foi fortemente marcada pela política imperial persa e sua interferência social e ideológica na região pode ser percebida nos escritos da Bíblia Hebraica produzidos nesta época
:: conhecer a estrutura econômica de Yehud como colônia persa é fundamental para a compreensão da sociedade e da literatura da época
:: Yehud foi palco de conflitos e definições étnicas, sendo, por isso, seu estudo importante para entender o que acontece nos séculos seguintes.

A partir deste ponto, Jon L. Berquist vai apresentar brevemente os 11 ensaios e as 2 réplicas que constituem o livro. E que prefiro transcrever aqui a partir do sumário:

Ensaios:
:: Melody D. Knowles, Pilgrimage to Jerusalem in the Persian Period
:: Richard Bautch, Intertextuality in the Persian Period
:: Donald C. Polaski, What Mean These Stones? Inscriptions, Textuality and Power in Persia and Yehud
:: David Janzen, Scholars, Witches, Ideologues, and What the Text Said: Ezra 9–10 and Its Interpretation
:: Christine Mitchell, "How Lonely Sits the City": Identity and the Creation of History
:: Brent A. Strawn, "A World Under Control": Isaiah 60 and the Apadana Reliefs from Persepolis
:: Jean-Pierre Ruiz, An Exile’s Baggage: Toward a Postcolonial Reading of Ezekiel
:: John Kessler, Diaspora and Homeland in the Early Achaemenid Period: Community, Geography and Demography in Zechariah 1–8
:: Herbert R. Marbury, The Strange Woman in Persian Yehud: A Reading of Proverbs 7
:: Jennifer L. Koosed, Qoheleth in Love and Trouble
:: Jon L. Berquist, Psalms, Postcolonialism, and the Construction of the Self

Réplicas:
:: Alice W. Hunt, In the Beginning-Again
:: Julia M. O'Brien, From Exile to Empire: A Response

Jon L. Berquist faz ainda uma série de considerações sobre os temas tratados e os métodos utilizados pelos autores que produziram este texto.

Lembro também que há uma extensa bibliografia no final do livro, ocupando as páginas 215-246.

Marcadores:

Bookmark and Share

Terça-feira, Julho 28, 2009

História de Israel: recomendo dois artigos

As aulas estão aí, é hora de "pegar no batente" novamente. E para quem estuda História de Israel recomendo dois artigos publicados em julho em The Bible and Interpretation.

E não é só: há muita coisa boa por lá sobre Arqueologia, Manuscritos do Mar Morto, Jesus Histórico, Interpretação da Bíblia...

Mas, os dois artigos são:

:: The Persian Period and the Origins of Israel: Beyond the "Myths" - By Efraín Velázquez II - Universidad Adventista de las Antillas, Puerto Rico - July 2009

Diz o Abstract:
The issues of settlement and the origin of Israel are commonly associated with the Late Bronze and Iron Ages. These periods have been considered the loci of the early biblical materials. However, more recently, these assumptions about the origin of the biblical texts and even the factuality of the events presented in them have been questioned. The discussion of the origins of Israel is now focused on the Persian period. Whereas this newer emphasis is somewhat strained and tends to repeat some of the unfortunate mistakes made by earlier interpreters, the debate over Israel in the Persian period nevertheless illuminates the discussion of Israel’s origin in earlier periods.


:: On Those We Influence - By Thomas L. Thompson - Professor Emeritus: University of Copenhagen - July 2009

Começa assim:
I have just returned from a two-week lecture tour in the Middle East, which included talks in Damascus, Amman, and East Jerusalem. Revisiting old friends after an absence of some four years, I find myself still much preoccupied with the discussions and conversations I took part in while I was there. Among some of the questions on my mind is the one raised by Professor Eric Meyer in his essay to Bible and Interpretation [Israel and Its Neighbors Then and Now: Revisionist History and the Quest for History in the Middle East Today] about the influence I have had on the historical self-understanding of Palestinians.

Marcadores:

Bookmark and Share

Sábado, Junho 20, 2009

Porque é importante ler Philip R Davies

Recebi, dias atrás, o número de abril de 2009 da CBQ - The Catholic Biblical Quarterly. Este é o volume 71, número 2.

Nas páginas 367-368, Megan Bishop Moore, da Wake Forest University, Winston-Salem, NC, resenha o livro de Philip R. Davies, The Origins of Biblical Israel. London: T & T Clark, 2007, x + 197 p. - ISBN 9780567043818 (Hardcover) - publicado em Paperback em 2009 - como dito aqui.

E diz mais para o final, avaliando o impacto do estudo:
Not surprisingly, the implications of D.'s theories for traditional histories of Israel are large and potentially devastating...

O que, em tradução mais ou menos livre, significa:
Não surpreende que as implicações das teorias de Philip R. Davies para as Histórias de Israel tradicionais sejam grandes e potencialmente devastadoras...

Leia Mais:
Philip R. Davies
In Search of ‘Ancient Israel’ - Resenha na Ayrton's Biblical Page

Marcadores:

Bookmark and Share

Domingo, Junho 14, 2009

Flávio Josefo: bibliografia atualizada

A bibliografia do artigo Flávio Josefo, homem singular em uma sociedade plural, na Ayrton's Biblical Page, foi atualizada.

Chamo a atenção especialmente para os estudos de:
. Steve Mason - cf. PACE - Project on Ancient Cultural Engagement - aqui e aqui
e de
. Louis H. Feldman aqui e aqui.

Infelizmente nenhum traduzido para o português.

Marcadores:

Bookmark and Share

Terça-feira, Maio 26, 2009

História de Israel: bibliografia está sendo atualizada

A bibliografia da "História de Israel" de minha página está sendo atualizada. Pelo menos as leituras recomendadas no final de cada item, como se pode ver aqui e aqui.

O texto pode ficar meio "esquisito", pois as notas de rodapé permanecem em sua forma e edições antigas, enquanto as leituras recomendadas estão atualizadas com a inclusão de imprescindíveis publicações mais recentes e novas edições das obras mais antigas.

Mas é fundamental, hoje, em História de Israel, que sejam lidas as obras publicadas nos últimos 10 anos ou um pouco mais. Do contrário, o interessado não entenderá o que está acontecendo na área.

Recomendo a visita à bibliografia atualizada.

Que está presente também em outros pontos da página, como aqui, aqui e aqui.

Marcadores:

Bookmark and Share

Sexta-feira, Fevereiro 06, 2009

História de Israel 2009: o pouco que sabemos

Este curso de História de Israel compreende 4 horas semanais, com duração de um semestre, o primeiro dos oito semestres do curso de Teologia. Aos alunos são distribuídos um roteiro impresso do curso e um CD com os roteiros de todos as minhas disciplinas do ano em curso. Os sistemas de avaliação e aprendizagem seguem as normas da Faculdade e são, dentro do espaço permitido, combinados com os alunos no começo do curso.

I. Ementa
Discute com o aluno os elementos necessários para uma compreensão global e essencial da história econômica, política e social do povo israelita, como base para um aprofundamento maior da história teológica desse povo. Possibilita ao aluno uma reflexão séria sobre o processo histórico de Israel desde suas origens até o século I d.C.

II. Objetivos
Oferece ao aluno um quadro coerente da História de Israel e discute as tendências atuais da pesquisa na área. Constrói uma base de conhecimentos histórico-sociais necessários ao aluno para que possa situar no seu contexto a literatura bíblica vétero-testamentária produzida no período.

III. Conteúdo Programático
1. Noções de geografia do Antigo Oriente Médio

  • O Crescente Fértil
  • A Mesopotâmia
  • A Palestina e o Egito de 3000 a 1700 a.C.
  • A Síria e a Fenícia
  • A Palestina
2. As origens de Israel
  • A teoria da conquista
  • A teoria da instalação pacífica
  • A teoria da revolta
  • A teoria da evolução pacífica e gradual
3. Os governos de Saul, Davi e Salomão
  • Nascimento e morte da monarquia a partir dos textos bíblicos
  • A ruptura do consenso
  • As fontes: seu peso, seu uso
  • Dois exemplos de fontes primárias: as estelas de Tel Dan e de Merneptah
  • A questão teórica: como nasce um Estado antigo?
  • As soluções de Lemche e Finkelstein & Silberman
4. O reino de Israel
  • Israel de Jeroboão I a Jeroboão II
  • A Assíria vem aí: para Israel é o fim
  • As conclusões de Finkelstein & Silberman
5. O reino de Judá
  • Os Reis de Judá
  • A reforma de Ezequias e a invasão de Senaquerib
  • A reforma de Josias e o Deuteronômio
  • Os últimos dias de Judá
  • Por que Judá caiu?
6. A época persa e as conquistas de Alexandre
  • A situação da Grécia e a política macedônia
  • As conquistas de Alexandre Magno (356-323 a.C.)
  • Quem é Alexandre Magno?
  • A anexação da Judéia por Alexandre
  • A situação da Judéia no momento da anexação
7. Os Ptolomeus governam a Palestina
  • Os Diádocos lutam pela herança de Alexandre
  • A situação da Palestina de 323 a 301 a.C.
  • As guerras sírias entre Ptolomeus e Selêucidas
  • Alexandria e os judeus
  • O governo dos Ptolomeus
  • A administração ptolomaica da Palestina
8. Os Selêucidas: a helenização da Palestina
  • O governo de Antíoco III, o Grande
  • Antíoco IV e a proibição do judaísmo
  • As causas da helenização
9. Os Macabeus I: a resistência
  • Matatias e o começo da revolta
  • A luta de Judas Macabeu (166-160 a.C.)
  • Jônatas, o primeiro Sumo Sacerdote Macabeu (160-143 a.C.)
10. Os Macabeus II: a independência
  • Simão consegue a independência da Judéia
  • João Hircano I e as divisões internas dos judeus
  • Aristóbulo I e a reaproximação com o helenismo
  • Alexandre Janeu, o primeiro rei macabeu
  • Salomé Alexandra e o poder dos fariseus
  • Aristóbulo II e a intervenção de Pompeu
11. O domínio romano
  • A “Pax Romana” chega a Jerusalém
  • O sistema sócio-econômico da Palestina no século I d.C.
  • A organização político-religiosa da Palestina
IV. Bibliografia
Básica
FINKELSTEIN, I. ; SILBERMAN, N. A. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa, 2003, 515 p. - ISBN 8589876187.

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008, 544 p. - ISBN 9788515035557.

PIXLEY, J. A História de Israel a Partir dos Pobres. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2008, 136 p. - ISBN 8532602827.

Complementar
BRIEND, J. (org.) Israel e Judá: textos do Antigo Oriente Médio. 2. ed. São Paulo: Paulus, 1997, 104 p. - ISBN 8534905908.

CURTIS, A. Oxford Bible Atlas. 4. ed. New York: Oxford University Press, 2007, 224 p. - ISBN 9780191001581.

DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. In: História de Israel e as pesquisas mais recentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003, p. 43-87 - ISBN 8532628281.

DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 71, p. 62-74, 2001. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. A história de Israel no debate atual. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. A origem dos antigos Estados israelitas. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 78, p. 18-31, 2003.

DA SILVA, A. J. Manuscritos do Mar Morto: recursos para estudo. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. Manuscritos do Mar Morto: resenhas na RBL. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. Observatório Bíblico: Marcador “Geografia”. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. O Pentateuco e a História de Israel. In: Teologia na pós-modernidade. Abordagens epistemológica, sistemática e teórico-prática. São Paulo: Paulinas, 2007, p. 173-215. - ISBN 853561110X

DA SILVA. A. J. Os essênios: a racionalização da solidariedade. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. Pode uma ‘história de Israel’ ser escrita? Observando o debate atual sobre a história de Israel. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DA SILVA, A. J. The History of Israel in the Current Research. Journal of Biblical Studies 1:2, Apr.-Jun. 2001. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

DAVIES, P. R. In Search of ‘Ancient Israel’. London: T. & T. Clark, [1992] 2005, 166 p. - ISBN 9781850757375.

DONNER, H. História de Israel e dos povos vizinhos. 2v. 4. ed. São Leopoldo: Sinodal/Vozes, 2006, 535 p. - ISBN vol. I: 8523304649; ISBN vol. II: 8523304657.

FINKELSTEIN, I.; MAZAR, A. The Quest for the Historical Israel: Debating Archaeology and the History of Early Israel. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2007, 220 p. - ISBN 9781589832770.

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. David and Solomon: In Search of the Bible's Sacred Kings and the Roots of the Western Tradition. New York: The Free Press, 2006, 352 p. - ISBN 9780743243629 (Hardcover) - ISBN 9780743243636 (Paperback, 2007).

GARCÍA MARTÍNEZ, F. Textos de Qumran: Edição Fiel e Completa dos Documentos do Mar Morto. Petrópolis: Vozes, 1995, 582 p. - ISBN 8532612830.

GOTTWALD, N. K. As Tribos de Iahweh: Uma Sociologia da Religião de Israel Liberto, 1250-1050 a.C. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2004, 939 p. - ISBN 8534922330.

GRABBE, L. L. A History of the Jews and Judaism in the Second Temple Period: Vol 1, A History of the Persian Province of Judah. London: T & T Clark, 2006, 496 p. - ISBN 0567043525.

GRABBE, L. L. A History of the Jews and Judaism in the Second Temple Period: Vol. 2, The Coming of the Greeks, the Early Hellenistic Period 335-175 BCE. London: T & T Clark, 2008, 432 p. - ISBN 9780567033963.

GRABBE, L. L. Ancient Israel: What Do We Know and How Do We Know It? London: T & T Clark, 2007, 328 p. - ISBN 9780567032546.

HORSLEY, R. A. Arqueologia, história e sociedade na Galiléia: o contexto social de Jesus e dos Rabis. São Paulo: Paulus, 2000, 196 p. - ISBN 8534915679.

KIPPENBERG, H. G. Religião e formação de classes na antiga Judéia: estudo sociorreligioso sobre a relação entre tradição e evolução social. São Paulo: Paulus, 1997, 184 p. - ISBN 8505006798. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

LEMCHE, N. P. The Israelites in History and Tradition. Louisville: Kentucky, Westminster John Knox, 1998, ix + 246 p. - ISBN 9780664220754.

LIVERANI, M. Antico Oriente. Storia, società, economia. 11. ed. Roma-Bari: Laterza, 2007, x +1031 p. - ISBN 9788842038429.

LONG, V. P. (ed.) Israel's Past in Present Research: Essays on Ancient Israelite Historiography. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 1999, xx + 612 p. - ISBN 9781575060286.

LOWERY, R. H. Os reis reformadores: culto e sociedade no Judá do Primeiro Templo. São Paulo: Paulinas, 2009, 351 p. - ISBN 8535612912.

MAZAR, A. Arqueologia na terra da Bíblia: 10.000 - 586 a.C. São Paulo: Paulinas, 2009, 558 p. - ISBN 8535610316.

MOORE, M. Philosophy and Practice in Writing a History of Ancient Israel. London: T &T Clark, 2006, x + 205 p. - ISBN 9780567029812.

MOREGENZTERN, I.; RAGOBERT, T. A Bíblia e seu tempo - um olhar arqueológico sobre o Antigo Testamento. 2 DVDs. Documentário baseado no livro The Bible Unearthed [A Bíblia não tinha razão], de Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman. São Paulo: História Viva - Duetto Editorial, 2007. Acesso em: 03 fevereiro 2009.

PEREGO, G. Atlas bíblico interdisciplinar. São Paulo: Paulus/Santuário, 2001, 124 p. - ISBN 8572007512.

ROAF, M. Mesopotâmia e o Antigo Médio Oriente. 2v. Madrid: Edições del Prado, 1996.

ROGERSON, J. Bíblia: Os caminhos de Deus. 2v. Madrid: Edições del Prado, 1996.

SCHWANTES, M. História de Israel: local e origens. 3. ed. São Leopoldo: Oikos, 2008, 141 p. - ISBN 9788589732963

VAN SETERS, J. Em Busca da História: Historiografia no Mundo Antigo e as Origens da História Bíblica. São Paulo: EDUSP, 2008, 400 p. - ISBN 8531411017.

VV.AA. Recenti tendenze nella ricostruzione della storia antica d'Israele. Roma: Accademia Nazionale dei Lincei, 2005, 202 p. - ISBN 8821809331.

WILLIAMSON, H. G. M. (ed.), Understanding the History of Ancient Israel. Oxford: Oxford University Press, 2007, 452 p. - ISBN 9780197264010. Disponível online. Acesso em: 03 fevereiro 2009.


Leia Mais:
Em busca da competência hermenêutica
O hábito da vigilância hermenêutica: métodos

Marcadores:

Bookmark and Share

Sexta-feira, Dezembro 26, 2008

Entrevista com Finkelstein em Sciences et Avenir

N. T. Wrong, em postagem de hoje em seu blog homônimo, chama a atenção para uma entrevista de Israel Finkelstein publicada na revista Sciences et Avenir, com data de 17 de dezembro de 2008.

Veja a entrevista aqui, no blog da revista Hokhma. Em francês.

Pour Israël Finkelstein, dans Sciences et Avenir de décembre 2008, "les textes sacrés ne sont pas des comptes-rendus historiques". Découvrez l'interview de Finkelstein dans S & A de décembre dans la suite de cette note (...) Propos recueillis à Megiddo par Bernadette Arnaud - Extrait de la revue Sciences et Avenir : 17 décembre 2008

Finkelstein Interview in Sciences et Avenir, December 2008

Marcadores:

Bookmark and Share

Segunda-feira, Outubro 27, 2008

As origens de Israel: polêmico artigo de Rainey

O Professor Emérito de Culturas do Antigo Oriente Médio e de Linguística Semítica da Universidade de Tel Aviv, Israel, Anson Rainey, tentou mostrar, em artigo recente na Biblical Archaeology Review (BAR), que os primeiros israelitas são pastores nômades originários da Transjordânia. Ele argumenta que a Bíblia é clara sobre este ponto e que os dados linguísticos lhe dão razão. Para ele toda a pesquisa dos últimos 46 anos, desde Mendenhall, em 1962, que mostra Israel surgindo a partir de Canaã, carece de fundamento e está equivocada.

Levou "cascudos" de tudo quanto foi lado. Merecidos. Incorreu em vários equívocos conhecidos e amplamente debatidos por dezenas de especialistas nesta área.

Vale a pena acompanhar a polêmica que o artigo suscitou. E vale a pena ler mais sobre o assunto em vários textos, em português, que estão em minha página e em meu blog.

O artigo de Anson Rainey:
:: Inside, Outside: Where Did the Early Israelites Come From? - By Anson Rainey - BAR 34:06, Nov/Dec 2008 - Reproduzido em Bibbiablog
Before they settled in the hill country of Canaan, where did the earliest Israelites come from and what was the nature of their society? The Bible is very clear. They were pastoral nomads who came from east of the Jordan. Much of the scholarship of the last part of the 20th century, however, has reached a far different conclusion. One might almost describe it as diametrically opposed to the Biblical account. According to this scholarship, the Israelites were originally Canaanites fleeing from the city-states of the coastal plain west of the hill country.

Algumas reações:
:: Anson Rainey, ‘East of the Jordan’ is not ‘The Rest of the Ancient Near East’ - Posted by ntwrong at October 23, 2008 - Blog N. T. Wrong
Anson Rainey’s article in the latest BAR (34:06, Nov/Dec 2008) is a confused and misleading piece of popular apologetics. The best to be said for it is that, in trying to prove a Transjordanian origin for ‘Israel’, it has managed to undermine its broader thesis (which argues that the biblical account of Israel’s origins are historically true).

:: Rainey's Selective Use of Evidence For Israelite Origins - Posted by Douglas Mangum at October 25, 2008 - Blog Biblia Hebraica
I've only just had the time to read over Anson Rainey's recent BAR article on Israel's origins. I have to admit I was baffled by his selective use of evidence and his conflation of archaeological, historical, and biblical material unrelated to his primary claim. He starts off on the wrong foot and continues down the non sequitur path. I'm sure his argument made sense in his own mind, but what he's presented is a jumble of selectively chosen facts, a false dichotomy of competing theories, and a caricature of the evidence and arguments for Israelites as native Canaanites. There are so many issues with his assumptions and use of evidence that I can't imagine taking the time to offer a complete critique. Fortunately, I don't need to do all the work on this one. Several others have pointed out some of the issues with Rainey's article already.

:: On The Selective Use Of Linguistic Data - Posted by Duane Smith at October 25, 2008 - Blog Abnormal Interests
The other day I accused Anson Rainey of selectively using linguistic data to make a point about the origins of the Hebrew language and the people who spoke it. In an earlier post I listed most, if not all, of Rainey's examples and gave a couple of counter examples of my own. I decided to do a little experiment. I make no claim of completeness. First, I when through Garr's table, 206-214, of isoglosses between various North West Semitic languages and noted those where Hebrew agreeds with Phoenician, more or less unambiguously, over against Aramaic. I may have missed one or two but here is I what found.


Leia Mais:
A História de Israel no Debate Atual - Artigo na Ayrton's Biblical Page
Anson Rainey nos Biblioblogs
As Origens de Israel - História de Israel na Ayrton's Biblical Page
As Origens de Israel no Blog Observatório Bíblico
As Origens de Israel nos Biblioblogs
Biblical Studies - Lista de Discussão [na caixa de Busca/Search digite: Anson Rainey's article on Israel's Origin]
Bibliografia para o estudo da História de Israel
Marcador "Bibliografia Bíblica" no Blog Observatório Bíblico
Marcador "História do Antigo Oriente Médio" no Blog Observatório Bíblico
Pode uma 'História de Israel' Ser Escrita? - Artigo na Ayrton's Biblical Page
Resenha de Israel Finkelstein/ Neil Asher Silberman, The Bible Unearthed [A Bíblia não tinha razão] na Ayrton's Biblical Page
Resenha de Philip R. Davies, In Search of ‘Ancient Israel’ na Ayrton's Biblical Page

Marcadores:

Bookmark and Share

Quarta-feira, Outubro 22, 2008

Novas Enquetes Biblicas - Biblical Polls

Você está convidado/a a votar em três novas enquetes/polls publicadas hoje na Ayrton's Biblical Page:

:: Você já leu algum livro sobre Paulo ou sobre suas cartas?
Três opções de resposta, coisa simples. No "estilo mineiro": sim, não e... muito antes pelo contrário!

:: Você já leu algum livro de História do Antigo Israel?
Como a anterior, apenas 3 opções de resposta.

:: Qual é o melhor livro de/sobre "História de Israel" que você já leu?
Esta é uma questão mais ampla. São citadas 100 obras na área de história e historiografia de Israel. O conjunto está dividido em 5 enquetes com 20 obras em cada uma delas, em ordem alfabética pelo sobrenome do autor e/ou organizador, o que permitirá ao votante escolher até 5 obras de uma só vez.

As obras selecionadas utilizam abordagens arqueológicas e, especialmente, históricas, cobrindo desde as origens de Israel até a Palestina do século I d.C. Observará, porém, o leitor que, limitado pelo espaço, menciono apenas o sobrenome do autor e/ou organizador da obra - várias são coletivas - e parte do título. Quem desejar ver as indicações completas, poderá encontrá-las, em bom número, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Os 100 livros foram escolhidos entre mais de 200 obras na área de História de Israel que são de meu conhecimento, e que, sei bem, representam uma ínfima parte do que existe de importante neste campo de estudo. Estão em seis línguas diferentes, sendo cerca de 1/3 do conjunto em português. Infelizmente, quase todas obras traduzidas, já que nossa produção acadêmica brasileira é, nesta, como em muitas outras áreas, extremamente limitada.

As outras línguas representadas são o inglês, o italiano, o espanhol, o alemão e o francês.

Visite a página das Enquetes Bíblicas - Biblical Polls e Vote!

Marcadores:

Bookmark and Share

Segunda-feira, Julho 21, 2008

El, Baal, Asherah e seu parentesco com Iahweh

Leia no G1, na série Ciência da fé, o texto de ontem, dia 20/07/2008, do Reinaldo José Lopes: Deus bíblico pode ser fusão de vários deuses pagãos, dizem especialistas.

Eu também estou por lá...

Um trechinho:
A idéia não é demonstrar que o Deus bíblico não passa de mais um personagem da mitologia. Os pesquisadores querem apenas entender como elementos comuns à cultura do antigo Oriente Próximo, e principalmente da região onde hoje ficam o estado de Israel, os territórios palestinos, o Líbano e a Síria, contribuíram para as idéias que os antigos israelitas tinham sobre os seres divinos. As conclusões ainda são preliminares, mas há bons indícios de que Javé é uma fusão entre um deus idoso e paternal e um jovem deus guerreiro, com pitadas de outras divindades – uma delas do sexo feminino.

Marcadores:

Bookmark and Share

Segunda-feira, Abril 28, 2008

Estudos reeditados que merecem ser lidos

JAMIESON-DRAKE, D. Scribes and Schools in Monarchic Judah: A Socio-Archaeological Approach. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008, 240 p. - ISBN 9781906055486. Publicação prevista para julho de 2008.
This highly original study locates the question of scribes and scribal schools in monarchic Judah in a socio-archaeological context. It departs from earlier studies by assigning priority to interpreting archaeological data within a broad interdisciplinary framework before trying to assess biblical and epigraphic sources. The book provides an analysis of data on settlement, public works, and luxury items in order to produce an archaeologically based picture of the development of state level administrative systems in Judah. The study questions the consensus that the Judahite monarchy became a state at some point in the tenth century BCE. The evidence for the increase in population, building, production, centralization and specialization in the eighth century suggests that Judah did not function as a state before the eighth century BCE. This incisive study challenges the assumption of widespread literacy and the traditional picture of the development of the Judahite monarchy. This volume is a reprint of the 1991 edition with a new preface by Robert B. Coote and Keith W. Whitelam setting the work in the context of recent debates on the history of ancient Israel. David Jamieson-Drake is Director of Institutional Research at Duke University, Durham, North Carolina.


COOTE, R. B.; WHITELAM, K. W. The Emergence of Early Israel in Historical Perspective. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008, 220 p. - ISBN 9781906055455. Publicação prevista para julho de 2008.
This highly original study takes a panoramic view of history in order to set the emergence of Israel in the broadest possible perspective. It begins with a study of the nature of historywriting and the increasing problems involved in utilizing the biblical text for historical reconstruction. The authors suggest an alternative approach which assigns priority to interpreting archaeological data within a broad interdisciplinary framework. The book provides a broad overview of settlement patterns and social relations throughout Palestinian history from the middle of the third millennium BCE to the present day in order to illustrate how the emergence of Israel in the early Iron Age fits into the march of time. Archaeological evidence for the appearance of dispersed settlements in the highlands and steppes of Palestine at the beginning of the early Iron Age followed by the rapid centralization of this area suggests that Israel emerged within Palestine in response to the decline in east Mediterranean trade at the end of the Late Bronze Age. The development of an Israelite monarchy is seen as being inextricably linked to the factors involved in Israel's emergence-as distinct from much previous research which has presented the monarchy as alien to the origins of Israel. This volume is a reprint of the 1987 edition with a new preface by Robert B. Coote and Keith W. Whitelam setting the work in the context of recent debates on the history of ancient Israel. Robert B. Coote is Nathaniel Gray Professor of Hebrew Exegesis and Old Testament at San Francisco Theological Seminary and the Graduate Theological Union. Keith W. Whitelam is Professor of Biblical Studies in the University of Sheffield.

Robert B. Coote e Keith W. Whitelam vêem as origens de Israel como parte de um processo de integração milenar entre as regiões das cidades e as regiões das montanhas. Processo que pode ser chamado de 'realinhamento' ou 'transformação', pois nos períodos de prosperidade as regiões das montanhas providenciavam recursos para as cidades dos vales, enquanto que nos momentos das crises elas absorviam as populações que deixavam tais cidades. No surgimento de Israel o colapso do comércio foi o fator mais significativo, segundo estes autores, pois colocou em crise a sobrevivência das cidades e exigiu dos povoados das montanhas uma forma mais eficaz de colaboração e cooperação para a sobrevivência, levando a um aumento populacional significativo. Com o desenvolvimento destas regiões o comércio foi recuperado, promovendo mais tarde o aparecimento do Estado.

HOPKINS, D. C. The Highlands of Canaan: Agricultural Life in the Early Iron Age. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008, 330 p. - ISBN 9781906055462. Publicação prevista para setembro de 2008.
In this masterly survey of the agricultural way of life and material world of late second millennium Canaan and emergent Israel, Hopkins asks, What obstacles did the Early Iron Age settlers of the Highlands face in their struggle for survival? How did they buffer the immense variability of their environment and take advantage of its natural diversity? How crucial were their particular social structures to their continued survival? The author’s researches into the dynamics of agricultural systems attested in ethnographic and anthropological sources constantly undergird the development of his picture. His work has proved to be a mandatory resource for all students of early Israel. Contents: the parameters of agricultural systems (e.g. environment, technology and population); geomorphology; climate and climatic change; natural vegetation and soils; population and settlement patterns; water conservation and control; soil conservation and fertility maintenance; risk spreading and the optimization of labor. This volume is a reprint of the 1985 edition, with a new preface by Keith W. Whitelam setting the work in the context of recent research on agriculture, daily life and the history of ancient Israel. David Hopkins is Professor of Archaeology and Biblical Interpretation, Wesley Theological Seminary, Washington, DC.

David C. Hopkins faz neste livro uma avaliação detalhada da agricultura na região montanhosa da Palestina na Idade do Ferro I (1200-900 a.C.), observando que o desenvolvimento social aconteceu junto com a intensificação do cultivo da terra. Para Hopkins, estas pessoas desenvolveram um sistema de colaboração ao nível de clã e de famílias, o que lhes permitia uma integração de culturas agrícolas com a criação de animais, evitando, deste modo, os desastres comuns a que uma monocultura estava sujeita nestas regiões tão instáveis, especialmente em recursos hídricos. Hopkins valorizou mais o sistema cooperativo baseado no parentesco do que o uso de técnicas como terraços, cisternas e o uso do ferro para explicar o sucesso destes assentamentos agrícolas. Para Hopkins, diferentes unidades clânicas e tribais israelitas devem ter surgido a partir de diferentes atividades agrícolas.

Leia Mais:
A Teoria da Evolução Pacífica e Gradual
+ Novidades

Marcadores:

Bookmark and Share

Domingo, Abril 20, 2008

O Exodo do Egito: da Biblia à arqueologia

Moisés pode não ter existido, sugere pesquisa arqueológica - Reinaldo José Lopes - Do G1, em São Paulo: 20/04/2008 - 09h00
Escavações e inscrições mostram que povo de Israel se originou dentro da Palestina. História sobre libertação do Egito teria influência de interesses políticos posteriores.

Leia... eu também estou por lá!

Leia ainda:
Bíblia abriga duas versões contraditórias da criação do mundo - Reinaldo José Lopes - Do G1, em São Paulo: 06/04/2008 - 09h00 - Atualizado em 07/04/2008 - 10h53

Obs.: Não deixe de ler os comentários feitos pelos leitores: há uma fartura de posições fundamentalistas! Seria até divertido... se não fosse trágico!

Outros temas bíblicos? Experimente clicar aqui.

Atualização: 01/05/2008 - 23h15
Em Biblical Studies Carnival XXIX, publicado hoje, diz Jim West sobre este post:

"Airton Jose da Silva points to an interesting assertion- that archaeology proves that Moses didn’t exist. Enjoy, if you dare. But be forewarned, archaeology cannot prove a negative".

Jim alerta que a arqueologia não pode provar uma negativa. Perfeito. Só que o artigo é do Reinaldo José Lopes, do G1, canal de notícias do sistema Globo, e tem por título Moisés pode não ter existido, sugere pesquisa arqueológica.

Que não deve ser entendido, obviamente, como archaeology proves that Moses didn’t exist [arqueologia prova que Moisés não existiu], mas archaeology suggests that Moses didn’t exist [arqueologia sugere que Moisés não existiu]. Leia mais aqui.

Marcadores:

Bookmark and Share

Quarta-feira, Março 05, 2008

Enquete - Poll: A Biblia e seu tempo

Criei na Ayrton's Biblical Page duas enquetes sobre este fabuloso documentário. Foi no dia 28 de fevereiro.

Pergunto:
  • Você já viu o documentário "A Bíblia e seu tempo"?
  • O documentário em DVD "A Bíblia e seu tempo" é baseado na obra de:
Acho que pouca gente está votando. Ou pior: será que tão pouca gente viu o documentário?

Garanto que o documentário vale a pena.

E não se esqueça: tenha ou não visto, vote na enquete!

Marcadores:

Bookmark and Share

Segunda-feira, Março 03, 2008

Pode uma Historia de Israel ser escrita?

Nos últimos dias fiz uma revisão e atualização de toda a bibliografia de meu artigo sobre o pensamento de alguns participantes do Seminário Europeu sobre Metodologia Histórica.

The article proposes to investigate the more important publications of some members of the European Seminar on Historical Methodology, and to define their position in the current research of the "History of Israel".

Confira: Pode uma 'História de Israel' ser escrita? Observando o debate atual sobre a História de Israel. Na Ayrton's Biblical Page. Além da bibliografia espalhada ao longo do texto, a lista de livros citados pode ser acessada facilmente no final do artigo.

Todas as obras estão com links para editoras e livrarias online. Além disso, coloquei o número de páginas e o ISBN de cada livro. Com o ISBN, o leitor pode facilmente encontrar a obra através do seu identificador exclusivo.

ISBN é a sigla para International Standard Book Number ou Número Padrão Internacional de Livro.

Marcadores:

Bookmark and Share

Sábado, Fevereiro 09, 2008

Historia de Israel 2008: o que sabemos?

Chegou ontem, enviado pela Amazon.com, o meu exemplar do livro de GRABBE, L. L. Ancient Israel: What Do We Know and How Do We Know It? London: T & T Clark, 2007, xx + 306 p. - ISBN 9780567032546.

O Antigo Israel: o que sabemos e como sabemos?

Lester Grabbe chegou bem no momento em que estou para começar o meu curso de História de Israel 2008. Que passo a descrever abaixo. Observo que as novidades em relação ao ano passado estão sobretudo na bibliografia.

Este curso de História de Israel compreende 4 horas semanais, com duração de um semestre, o primeiro dos oito semestres do curso de Teologia. Aos alunos são distribuídos um roteiro impresso do curso e um CD com os roteiros de todos as minhas disciplinas do ano em curso. Os sistemas de avaliação e aprendizagem seguem as normas da Faculdade e são, dentro do espaço permitido, combinados com os alunos no começo do curso.

I. Ementa
Discute com o aluno os elementos necessários para uma compreensão global e essencial da história econômica, política e social do povo israelita, como base para um aprofundamento maior da história teológica desse povo. Possibilita ao aluno uma reflexão séria sobre o processo histórico de Israel desde suas origens até o século I d.C.

II. Objetivos
Oferece ao aluno um quadro coerente da História de Israel e discute as tendências atuais da pesquisa na área. Constrói uma base de conhecimentos histórico-sociais necessários ao aluno para que possa situar no seu contexto a literatura bíblica vétero-testamentária produzida no período.


III. Conteúdo Programático

1. Noções de geografia do Antigo Oriente Médio
  • O Crescente Fértil
  • A Mesopotâmia
  • A Palestina e o Egito de 3000 a 1700 a.C.
  • A Síria e a Fenícia
  • A Palestina
2. As origens de Israel
  • A teoria da conquista
  • A teoria da instalação pacífica
  • A teoria da revolta
  • A teoria da evolução pacífica e gradual
3. Os governos de Saul, Davi e Salomão
  • Nascimento e morte da monarquia a partir dos textos bíblicos
  • A ruptura do consenso
  • As fontes: seu peso, seu uso
  • Dois exemplos de fontes primárias: as estelas de Tel Dan e de Merneptah
  • A questão teórica: como nasce um Estado antigo?
  • As soluções de Lemche e Finkelstein & Silberman
4. O reino de Israel
  • Israel de Jeroboão I a Jeroboão II
  • A Assíria vem aí: para Israel é o fim
  • As conclusões de Finkelstein & Silberman
5. O reino de Judá
  • Os Reis de Judá
  • A reforma de Ezequias e a invasão de Senaquerib
  • A reforma de Josias e o Deuteronômio
  • Os últimos dias de Judá
  • Por que Judá caiu?
6. A época persa e as conquistas de Alexandre
  • A situação da Grécia e a política macedônia
  • As conquistas de Alexandre Magno (356-323 a.C.)
  • Quem é Alexandre Magno?
  • A anexação da Judéia por Alexandre
  • A situação da Judéia no momento da anexação
7. Os Ptolomeus governam a Palestina
  • Os Diádocos lutam pela herança de Alexandre
  • A situação da Palestina de 323 a 301 a.C.
  • As guerras sírias entre Ptolomeus e Selêucidas
  • Alexandria e os judeus
  • O governo dos Ptolomeus
  • A administração ptolomaica da Palestina
8. Os Selêucidas: a helenização da Palestina
  • O governo de Antíoco III, o Grande
  • Antíoco IV e a proibição do judaísmo
  • As causas da helenização
9. Os Macabeus I: a resistência
  • Matatias e o começo da revolta
  • A luta de Judas Macabeu (166-160 a.C.)
  • Jônatas, o primeiro Sumo Sacerdote Macabeu (160-143 a.C.)
10. Os Macabeus II: a independência
  • Simão consegue a independência da Judéia
  • João Hircano I e as divisões internas dos judeus
  • Aristóbulo I e a reaproximação com o helenismo
  • Alexandre Janeu, o primeiro rei macabeu
  • Salomé Alexandra e o poder dos fariseus
  • Aristóbulo II e a intervenção de Pompeu
11. O domínio romano
  • A “Pax Romana” chega a Jerusalém
  • O sistema sócio-econômico da Palestina no século I d.C.
  • A organização político-religiosa da Palestina
IV. Bibliografia
Básica
DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. In: História de Israel e as pesquisas mais recentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. 181 p. - ISBN 8532628281, p. 43-87.

DONNER, H. História de Israel e dos povos vizinhos. 2v. 4. ed. São Leopoldo: Sinodal/Vozes, 2006, 535 p. - ISBN vol. I:8523304649; ISBN vol. II:8523304657.

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa, 2003, 515 p. - ISBN 8589876187. Apresentação e resenha na Ayrton's Biblical Page.


Complementar
BRIEND, J. (org.) Israel e Judá: textos do Antigo Oriente Médio. 2. ed. São Paulo: Paulus, 1997, 104 p. - ISBN 8534905908.

CURTIS, A. Oxford Bible Atlas. 4. ed. New York: Oxford University Press, 2007, 224 p. - ISBN 9780191001581.

DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 71, p. 62-74, 2001. Artigo disponível online.

DA SILVA, A. J. A história de Israel no debate atual. Artigo na Ayrton's Biblical Page.

DA SILVA, A. J. A origem dos antigos Estados israelitas. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 78, p. 18-31, 2003.

DA SILVA, A. J. Manuscritos do Mar Morto: recursos para estudo. Disponível no Observatório Bíblico.

DA SILVA, A. J. Manuscritos do Mar Morto: resenhas na RBL. Indicações no Observatório Bíblico.

DA SILVA, A. J. Observatório Bíblico: Marcador “Geografia”.

DA SILVA, A. J. O Pentateuco e a História de Israel. In: Teologia na pós-modernidade. Abordagens epistemológica, sistemática e teórico-prática. São Paulo: Paulinas, 2003, 496 p. - ISBN 853561110X, p. 173-215.

DA SILVA. A. J. Os essênios: a racionalização da solidariedade. Artigo na Ayrton's Biblical Page.

DA SILVA, A. J. Pode uma ‘História de Israel’ ser escrita? Observando o debate atual sobre a história de Israel. Artigo na Ayrton's Biblical Page.

DA SILVA, A. J. The History of Israel in the Current Research. Journal of Biblical Studies 1:2, Apr.-Jun. 2001. Artigo online.

DAVIES, P. R. In Search of ‘Ancient Israel’. London: T. & T. Clark, [1992] 2005, 166 p. - ISBN 9781850757375.

FINKELSTEIN, I.; MAZAR, A. The Quest for the Historical Israel: Debating Archaeology and the History of Early Israel. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2007, 220 p. - ISBN 9781589832770.

FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. David and Solomon: In Search of the Bible's Sacred Kings and the Roots of the Western Tradition. New York: The Free Press, 2006, 352 p. - ISBN 9780743243629.

GARCÍA MARTÍNEZ, F. Textos de Qumran: edição fiel e completa dos Documentos do Mar Morto. Petrópolis: Vozes, 1995, 582 p. - ISBN 8532612830.

GRABBE, L. L. A History of the Jews and Judaism in the Second Temple Period: Vol 1, A History of the Persian Province of Judah. London: T & T Clark, 2006, 496 p. - ISBN 9780567043528.

GRABBE, L. L. Ancient Israel: What Do We Know and How Do We Know It? London: T & T Clark, 2007, xx + 306 p. - ISBN 9780567032546.

HORSLEY, R. A. Arqueologia, história e sociedade na Galiléia: o contexto social de Jesus e dos Rabis. São Paulo: Paulus, 2000, 196 p. - ISBN 8534915679.

KIPPENBERG, H. G. Religião e formação de classes na antiga Judéia: estudo sociorreligioso sobre a relação entre tradição e evolução social. São Paulo: Paulus, 1997, 184 p. ISBN 9788505006796. Resumo no Observatório Bíblico.

LIVERANI, M. Oltre la Bibbia: storia antica di Israele. 6. ed. Roma-Bari: Laterza, 2007, 526 p. - ISBN 9788842070603 (em espanhol: Más allá de la Biblia: historia antigua de Israel. Barcelona: Editorial Crítica, 2005). Apresentação na Ayrton's Biblical Page.

LONG, V. P. (ed.) Israel's Past in Present Research: Essays on Ancient Israelite Historiography. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 1999, xx + 612 p. - ISBN 9781575060286.

LOWERY, R. H. Os reis reformadores: culto e sociedade no Judá do Primeiro Templo. São Paulo: Paulinas, 2004, 351 p. - ISBN 8535612912.

MAZAR, A. Arqueologia na terra da Bíblia: 10.000 - 586 a.C. São Paulo: Paulinas, 2003, 558 p. - ISBN 8535610316.

MOORE, M. Philosophy and Practice in Writing a History of Ancient Israel. London: T &T Clark, 2006, 205 p. - ISBN 9780567029812.

MOREGENZTERN, I.; RAGOBERT, T. A Bíblia e seu tempo - um olhar arqueológico sobre o Antigo Testamento. 2 DVDs. Documentário baseado no livro The Bible Unearthed, de Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman. São Paulo: História Viva - Duetto Editorial, 2007. Mais informações no Observatório Bíblico.

PEREGO, G. Atlas bíblico interdisciplinar. São Paulo: Paulus/Santuário, 2001, 124 p. - ISBN 8572007512.

PIXLEY, J. A história de Israel a partir dos pobres. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2004, 136 p. - ISBN 8532602827.

ROAF, M. Mesopotâmia e o Antigo Médio Oriente. 2v. Madrid: Edições del Prado, 1996.

ROGERSON, J. Bíblia: Os caminhos de Deus. 2v. Madrid: Edições del Prado, 1996.

VV.AA. Recenti tendenze nella ricostruzione della storia antica d'Israele. Roma: Accademia Nazionale dei Lincei, 2005, 202 p. - ISBN 8821809331.

WILLIAMSON, H. G. M. (ed.), Understanding the History of Ancient Israel. Oxford: Oxford University Press, 2007, 452 p. - ISBN 9780197264010. Disponível online.

Marcadores:

Bookmark and Share

Segunda-feira, Janeiro 14, 2008

A Biblia e seu tempo: coisa rara no Brasil

Acabei de ver, pela primeira vez, os dois DVDs de A Bíblia e seu tempo - um olhar arqueológico sobre o Antigo Testamento.

Que, como todo mundo já sabe, é o documentário que a Revista História Viva, da Duetto Editorial, acabou de lançar. E que é baseado no livro de Finkelstein/Silberman, The Bible Unearthed.

Ora, se você leciona História de Israel ou trabalha com qualquer disciplina bíblica ou apenas quer aprender mais... o que está esperando? Corra e compre. É coisa rara e extraordinária sair algo tão qualificado assim por aqui.

Sabe o que é estudar História de Israel guiado por Israel Finkelstein, Neil Asher Silberman, Thomas Römer, Jacques Briend, Donald B. Redford, Amihai Mazar, John Van Seters, David Ussishkin e outros... todos especialistas de renome em arqueologia, história ou exegese?

Vou ver o documentário mais uma vez. Dura cerca de três horas e meia, mas estou pensando seriamente em escrever uma resenha sobre ele.

Recomendo o documentário aos meus colegas, claro, e aos meus alunos de História de Israel (Primeiro Ano) e Literatura Deuteronomista (Segundo Ano), nem é preciso dizer, com insistência e urgência, pois já em fevereiro estaremos tratando disso em sala de aula...

Marcadores:

Bookmark and Share